Mariana, Paris… Este mundo é um barril de pólvora

190

Novembro está sendo um mês triste e trágico para o Brasil e o mundo. No dia 5, duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco se romperam e causaram uma enxurrada de lama que inundou várias casas no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais. Pelo menos sete pessoas morreram e 18 estão desparecidas. Um cidadão de Governador Valadares deu o seguinte depoimento:

“Infelizmente, o Brasil ainda não sabe o que está acontecendo aqui em Minas Gerais. Os veículos de ‘desinformação’, para amenizar a tragédia, continuam omitindo fatos e números importante. São centenas de milhares de pessoas afetadas pelo fato. Toda a economia dos municípios está comprometida. As escolas suspenderam as aulas, a agricultura está comprometida porque não tem chuva, o comercio já quase parou, pois não tem água, nem para os banheiros; bares e restaurantes estão adotando material descartável para servir, mas não existem panelas descartáveis e essas precisam ser lavadas. A construção civil também foi afetada; não há água para o banho das pessoas. Hospitais e asilos, presídios e serviços essenciais estão sendo abastecidos por caminhões pipa, que precisam ir a outros municípios para se abastecer de água, o que está onerando os cofres públicos com o alto consumo de combustível – isso quando conseguem passar pelas estradas bloqueadas pela manifestação de caminhoneiros.

“O Rio Doce, um dos maiores do Brasil, está morto! As populações, desde Mariana, MG, até Linhares, ES, estão sofrendo as consequências do que talvez seja a maior tragédia ambiental, ecológica, econômica, hídrica, já ocorrida no País. E as consequências serão sentidas por muitos décadas. Somente em Governador Valadares são 260 mil pessoas afetadas. Alguém já imaginou uma cidade de 260 mil pessoas totalmente sem água? E o pior: a água está correndo no Rio Doce, mas completamente envenenada por arsênico, mercúrio e outros metais.

“Todos – eu disse todos – os peixes morreram envenenados, e já se pode sentir o ‘cheiro’ a quilômetros de distância. Esse é o quadro que o Brasil precisa conhecer.”

Apenas oito dias depois, outra tragédia choca o mundo, desta vez em Paris.Uma série de atentados, possivelmente coordenados, atingiu a capital francesa nesta noite. De acordo com o Ministério do Interior, há mais de 100 mortos. Todos os ataques foram em locais de grande concentração de pessoas: bares, restaurantes, uma casa de shows e o estádio nacional Stade de France. A polícia francesa invadiu a casa de espetáculos Bataclan, onde matou três terroristas e encontrou ao menos cem mortos. No local estava acontecendo a apresentação da banda Eagles of the Death Metal.

Autoridades pediram que os cidadãos de Paris permaneçam em suas casas durante a madrugada deste sábado (14). Zonas de segurança foram instaladas e várias equipes de socorro mobilizadas. Para analistas, esses ataques terroristas podem ser retaliação de extremistas islâmicos contra os bombardeios franceses na Síria.

O mundo é um barril de pólvora prestes a explodir. De vez em quando, um “estalo” nos lembra disso. Nos lembra da nossa impotência frente à violência. Nos lembra que não há lugar seguro neste planeta. E nos lembra que a solução virá do Alto.

Michelson Borges, do Criacionismo